18 de outubro de 2016

DESAFIOS NA BIBLIOTECA

Neste ano letivo, propomos-te alguns desafios relacionados com várias áreas do saber. Mensalmente, estão disponíveis, na biblioteca, algumas questões a que podes responder utilizando a net ou livros para pesquisares sobre o assunto.

Vem alargar a tua visão do mundo! 



    


            AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA
          BIBLIOTECAS ESCOLARES 

“Envolver os alunos na prática da leitura, usando estratégias diversificadas, é um dos meios mais eficazes para promover a mudança social.”
in:Reading for Change, relatório PISA da OCDE (2002)

O Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares estabeleceu 24 de outubro de 2016 como Dia da Biblioteca Escolar em Portugal, inserido no Mês Internacional da Biblioteca Escolar – outubro.


As bibliotecas do Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra, no âmbito da comemoração deste dia, lançam o desafio “Quem muito lê, o mundo vê!” que consiste em apresentar uma leitura em voz alta a todos os alunos, na primeira aula do dia.


6 de outubro de 2016

Neste mês de outubro, em que se comemora o mês internacional da Biblioteca Escolar, vão desenvolver-se várias atividades para assinalar a importância das bibliotecas na aprendizagem ao longo da vida.

Começamos por te propor a leitura de alguns livros que podes encontrar na biblioteca.

Sugerimos que os leias e que nos entregues, tu também, uma sinopse e a tua opinião sobre estes e outros livros que lês.

Boas leituras!

O Espelho ou o Retrato Vivo (in A Árvore)




Autora: Sophia de Mello Breyner
Editora: Figueirinhas






Pequeno resumo:


Esta história fala-nos de uma família, que vive no Japão, constituída por três membros, a mulher, o pai e a filha.

Como o pai era vendedor de chás, certo dia teve de partir para Kioto, para vender mais chás. Ele prometera que com o dinheiro que fizesse traria muitas prendas. E assim foi, quando voltou entregou todas as prendas que tinha comprado para a sua família.

Quando sua filha se recolhera, às suas escondidas o pai entregara uma coisa maravilhosa à esposa, era um espelho já muito conhecido em Kioto, mas nunca visto antes naquele lugar.

A mulher desembrulhou-o e olhou para ele, perguntou ao marido o que é que ele fazia, pois ela pensava que nele poderia ver uma mulher linda, mas o homem chamou-a de pateta porque o que ela via era o seu próprio rosto.

Com o passar dos dias, como a mulher se olhava diariamente, tornou-se vaidosa e orgulhosa, e com medo de que se tornasse uma pessoa horrível, guardou o espelho.

Quando a morte lhe bateu à porta, mandou sua filha buscá-lo e avisou-a de que aquele espelho não a poderia tornar nunca uma pessoa vaidosa.

Ouvindo as palavras de sua mãe, pensou e achou melhor segui-las, e assim, tanto ela como o pai viveram felizes para sempre.


Parte da história de que eu mais gostei:

Eu gostei muito da parte em que o pai entregou o espelho a sua esposa, porque achei graça por ela ter dito aquilo que via.

Personagem de que eu mais gostei:

A personagem de que eu mais gostei foi a mãe porque avisou a filha daquilo em que o espelho a poderia tornar.

sinopse e opinião de uma aluna


Rosa, Minha Irmã Rosa




Autora: Alice Vieira
Editora: Caminho







Resumo:


Mariana é uma menina de 10 anos, é uma pequena rapariga que está habituada a uma vida de filha única. Mas um dia recebe a notícia de que vai ter uma irmã mais nova, e não ficou lá muito contente, principalmente porque se apercebe rapidamente que vai ter de dividir o quarto, o tempo dos pais e o afecto da família com a “intrusa” lá de casa.

Mariana com o tempo foi-se habituando ao novo membro da família, e de vez em quando ia falando com a Rosa e contava-lhe várias histórias que lhe eram contadas pela falecida avó Lídia.

Numa noite de trovoada, Mariana acorda sobressaltada com o choro e a tosse da irmã e fica irritada por não conseguir dormir com tanto barulho, mas nem sequer desconfia que aquela tosse ia dar origem a uma grave pneumonia e que a sua irmãzinha bebé ia ter de ficar durante alguns dias internada no hospital.

Mariana arrepende-se de tudo o que chamou e disse sobre o nascimento da irmã e com o tempo aprende a gostar dela, aprendendo também, principalmente, a dividir as coisas de que mais gosta com a sua pequena irmã, após ela ter regressado a casa.

Mas lá no fundo, Mariana ainda fica mais contente quando sabe e tem a certeza de que nunca, mas nunca vai ter de dividir a Rita, a sua melhor amiga, e a avó Lídia com a Rosa.



A minha Opinião: Neste livro aprendemos a não ser egoístas e “mauzinhos” com irmãos ou com outra pessoa qualquer, porque podemos sempre arrepender-nos.


O que mais gostei: O que mais gostei foi quando a Mariana começa a gostar da Rosa e fala com ela, mesmo sabendo que ela não a “percebe”.



sinopse e opinião de uma aluna

Desafio Terrível





Autor: Yaël Hassan e Colonel Moutarde
Editora: Porto Editora







Resumo:


Era uma vez um rapaz chamado Leopoldo. Adorava o futebol, não gostava de estudar e muito menos de ler.

Certo dia, na escola, foi comunicado à turma que ia haver um concurso de leitura em que os participantes tinham que ler dez livros num trimestre e fazer a sua respectiva ficha de leitura, explicando porque tinham escolhido cada um dos livros.

À primeira vista era impossível ele conseguir, mas como todos lhe diziam que ele não era capaz de participar por não estar à altura daquela tarefa, ele quis mostrar a todos que era capaz de enfrentar aquele desafio, dirigindo-se à biblioteca. Escolheu um livro da lista para ler - “As viagens de Gulliver” -, que tinha cento e oitenta páginas. Por ter tanta vontade de conseguir, leu-o todo num só dia.

No dia seguinte ia haver uma reunião na biblioteca onde todos os participantes iriam reunir-se para saber o regulamento do concurso. Quando viram Leopoldo presente, ficaram todos admirados. No fim da reunião, todos escolheram um livro.

Leopoldo sentou-se junto de um grande plátano, e uma colega teve exactamente a mesma ideia. Essa colega também não gostava de ler e ele convenceu-a que ler era interessante e tornaram-se muito amigos e todos os dias liam juntos, porque achavam que juntos podiam ajudar-se um ao outro e a sentirem-se mais confiantes. E depressa leram todos os livros.

No dia do concurso, reuniram-se todos na biblioteca, e os vencedores foram o Leopoldo, e a sua amiga Aurora. Todos ficaram surpreendidos.

Depois competiram com outras escolas e ganharam, e os dois representaram o distrito, em Lisboa, ficando muito orgulhosos pelo que tinham conseguido.

A partir daí passaram a dar mais valor à leitura.



Parte de que mais gostei: Foi quando Leopoldo teve coragem de enfrentar o desafio.

Personagem de que mais gostei: Gostei de Leopoldo e da Aurora porque juntos conseguiram vencer.


sinopse e opinião de uma aluna



“Corre, Corre Cabacinha”
in O Menino da Lua e Corre, Corre Cabacinha 

Sinopse: Acreditavam os antigos que tudo está escrito na Lua. Também, nesta primeira história, a Lua vai determinar o futuro de um menino que escapa de um destino de miséria e maus-tratos e acaba em filho de rei.
A segunda história tem a ver com a esperteza de uma velha avó, que consegue escapar a um lobo esfomeado...

Nesta coleção, Alice Vieira recria com talento histórias da tradição popular portuguesa.
http://www.caminho.leya.com/pt/infantil-juvenil/4-6-anos/o-menino-da-lua-e-corre-corre-cabacinha/




Aquela nuvem e outras (escolher 8 poemas)


Sinopse:Esta coleção concretiza um dos principais objetivos das Metas Curriculares de Português do 1.º Ciclo que reside no acesso de todos os alunos que frequentam o Ensino Básico a obras literárias de referência, fomentando, assim, o domínio da Educação Literária.

http://www.portoeditora.pt/produtos/ficha/aquela-nuvem-e-outras?id=14845256




O Elefante Cor-de-Rosa 

Sinopse: Reedição de um pequeno conto de Luísa Dacosta - porventura um dos mais emblemáticos da sua obra no domínio da literatura infantil -, que conserva as ilustrações originais da primeira edição (de 1974), da autoria de Armando Alves. A história desenrola-se em torno de um pequeno elefante cor-de-rosa, que é a cor dos sonhos das crianças, e fala-nos, num primeiro momento, do "mundo amável" em que ele vivia, juntamente com outros elefantes cor-de-rosa. Era um mundo de paz e de alegria, onde não havia sofrimento. Confrontado, num segundo momento, com a morte inesperada deste seu mundo, o elefante vê-se obrigado a partir e acaba por ir viver para a imaginação de uma criança! Uma história de sonho e fantasia, que aborda, porém, ainda que de forma magistralmente subtil, valores tão importantes como a amizade, a solidariedade e a entreajuda. Aparentemente simples, na forma e no conteúdo, este pequeno conto revela-se, afinal, fortemente cativante, seduzindo tanto pela riqueza das emoções que desperta como dos simbolismos que encerra - tão ao jeito de Luísa Dacosta!
http://www.leyaonline.com/pt/livros/infantil-e-juvenil/7-9-anos/literatura-infantil/o-elefante-cor-de-rosa/



13 de junho de 2016

ENCONTROS DE LEITURA

Para terminar em grande, nada melhor que um encontro com os mais pequenos da nossa escola. No dia 7 de junho, reuniram-se na nossa biblioteca, os alunos do 7.º I com as três salas do pré-escolar. Neste encontro de leituras,  a que estes alunos já se habituaram, houve, mais uma vez, textos declamados, reinventados, dramatizados e canções. Num verdadeiro trabalho de articulação entre ciclos e entre disciplinas, os alunos partilharam experiências de leitura e fizeram um trabalho de leitura e de expressão plástica, elaborando um cenário que serviu de fundo a uma das suas apresentações.


Deixamos aqui algumas fotografias e vídeos.

video






Encontros de leitura de final de ano on PhotoPeach
     Pela terceira vez, tornando-se já um hábito, este ano letivo, os docentes do grupo de português do 2.º ciclo implementaram o concurso de poesia, com o objetivo de fomentar o gosto pela leitura e pela escrita, na modalidade de poesia, aliando as palavras à ilustração. O tema selecionada para este ano foi "a minha biblioteca", aliando esta atividade às comemorações dos 20 anos da RBE.
     Foi lançado o desafio aos alunos do 2.º ciclo, que, individualmente ou a pares, produziram um elevado número de poemas subordinados à temática da biblioteca:  leitura, livros...
     Mais uma vez o desafio foi bem recebido. De todos os trabalhos produzidos em cada turma foi feita uma primeira seleção de apenas dois poemas que representaram a turma no concurso final. Nesta fase, o júri apreciou 27 trabalhos. 
     Apresentamos aqui os vencedores deste ano.

Parabéns aos vencedores e a todos os que brincaram com as palavras sem medo!


1.º Lugar - Catarina Potra e Gabriela Gil, 5.ºB





2.º Lugar - Margarida Melo, 6.ºG

3.º Lugar - Maria Martins, 5.ºF
Podes ver estes e outros trabalhos na tua biblioteca!

14 de abril de 2016

Textos produzidos pelos alunos para os "Encontros de Leitura", no âmbito da Semana da Leitura

Ler textos de autores consagrados é enriquecedor, escrever textos originais é prova de criatividade e originalidade. 
E assim nascem os escritores...

08/01/2000
Querido diário,
Hoje, tive um dia em cheio! Bem, como sabes, aqui, os peixes são de poucas palavras. Então, não chegam notícias todos os dias.
Finalmente, veio uma do meu interesse: vai abrir o “Subaquaticocine”, O primeiro cinema debaixo de água do mundo! O nome que lhe deram é tão estranho! Ainda não parei de rir! É mesmo de quem tem falta de imaginação! Até já chorei de tanto rir e a minha barriga parecia que tinha acabado de fazer mil e quinhentos abdominais, levado uma carga de porrada e ainda ter levado muitas marradas de uma manada inteira!
Bem, mal posso esperar para ir ver filmes no “Subcine” (é como eu e os meus amigos lhe chamamos)! Vai ser "espantalhástico"!
Ontem, descobri um tesouro num navio afundado que havia pertencido aos Portugueses na era dos Descobrimentos: era ouro do Brasil. Também havia lá um mapa para o El Dourado, a cidade perdida feita inteiramente de ouro! Este tesouro esteve sempre debaixo do nariz dos humanos e eles nem desconfiaram! Eu vou destruir o mapa, pois acho que esta descoberta só viria trazer problemas ao mundo inteiro e também acho que o mundo ainda precisa de mitos, mistério e magia…
Por agora, é só… Vou destruir o mapa e vou ver o primeiro filme alguma vez estreado no mar!
Então, até quando tiver mais novidades!
Beijinhos,
Sirena, a tua sereia!
Escrito por:
Tarsis Pinheiro, nº21 8ºG
Ano letivo 2015/2016


Dia 3 de Abril, 2007
Diário,
A minha vida está a chegar ao fim. Como o sei? Estou a sentir-me cada vez mais vazia, estou quase a chegar ao meu limite…
Agora, vou fazer-te um breve resumo da minha vida e escrever o meu testamento, pois penso que não terei outra oportunidade.
A minha vida como caneta foi muito emocionante. A minha primeira “dona” era uma menina muito inteligente, com uma caligrafia muito bonita e ambas nos orgulhávamos do nosso trabalho.
Certo dia, ela ofereceu-me a uma amiga que me adorava. Esta tinha uma caligrafia meio desajeitada, mas era muito divertida: adorava rir e escrevia muitas piadas! Era uma boa aluna e divertíamo-nos imenso.
Certa vez, a minha adorada emprestou-me a um rapaz. Ele nunca mais me devolveu à minha adorada… Tinha uma caligrafia muito má e era engraçado, mas agora as notas, ui, ui… Enfim…
Depois dele, teve-me como sua outro menino. Este tinha ótimas notas, apesar de não ser considerado “nerd”, pois era bastante sociável, engraçado e era um bom amigo.
Pode parecer uma vida desinteressante, mas acredita: de cada vez que escreviam comigo uma piada, um texto, qualquer coisa, era muito entusiasmante, pois havia sempre alguém que risse, que dissesse que tinha adorado, que comentasse! Havia muita emoção!
A vida de uma caneta pode parecer fácil, mas não é. Sempre que se enganavam quando escreviam comigo, riscavam e, às vezes, até praguejavam. Era nesses momentos que gostava de ser um lápis, mas agora já não, pois descobri que a vida dos lápis é extremamente dura: sempre a serem afiados, a partirem-se… Pobres coitados… Não digo que tenho sorte por ter nascido caneta, mas estou grata pela experiência!
Talvez numa próxima vida possa experienciar ser outro Ser, obviamente que não me hei de lembrar de como foi ser caneta ou de como foi ser todas as outras coisas que já fui, mas de uma coisa tenho a certeza: serei sempre grata por aquilo que for, pois o que importa não é o que somos por fora, mas sim por dentro. Fica a dica.
E agora o meu testamento:
Deixo-me a mim mesma para ser derretida para fazer outra caneta à BIC.
Adeus diário, adeus pessoas, objetos e outros seres e, por último, mas não menos importante, adeus Mundo!
Aqui termina “O Diário de uma Caneta Invulgar”
Escrito por:
Tarsis Pinheiro, nº21 8ºG
Ano letivo 2015/2016